quarta-feira, 4 de maio de 2011

Delicioso Alentejo

Feche os olhos. Imagine-se deitado num campo. Uma brisa suave percorre-lhe a pele. No ar, um aroma delicado a flores e a ervas. Por cima da sua cabeça, um céu azul maior que o horizonte. O tempo corre devagar, devagarinho.





Ao longe, ouve o piar de uma cotovia, enquanto o sol lhe aquece os sentidos.


(vídeo de Nana Pereira)


Respire fundo, e deixe-se levar pelo sonho. No alto de um monte, há uma casa, toda caiada de branco.



Aproxime-se. Empurre a porta e entre. Debaixo da sua enorme chaminé, está uma panela ao lume. Destape a panela, um cheirinho a carne e hortelã apodera-se de si. Ao lado, um pão ainda quente e estaladiço. Sem vergonha, corte um pedaço e molhe-o no molho. Deleite-se com este pitéu. Agora, sente-se à mesa. Oiça crianças a rir e vozes de homens e mulheres a cantar. Abre-se uma porta e a sala enche-se de familiares e amigos. Todos sentam-se consigo à mesa, e ali ficam horas e horas a comer e a beber em grande comunhão. Sinta uma enorme felicidade e tranquilidade a invadi-lo.
Sem abrir os olhos, pegue em todas as cores, cheiros, sabores, texturas e sentimentos que o seu cérebro lhe transmite, ponha todos esses ingredientes num ecrã, com o rato misture tudo, e “clique”. Agora, abra os olhos e venha descobrir esse seu lugar desconhecido mas tão maravilhoso e escondido no mais profundo do seu ser. Venha conhecer esse DELICIOSO ALENTEJO. Deixe-se encantar pelas suas histórias, o seu povo, a sua flora e fauna, as suas paisagens e principalmente a sua gastronomia. É através desta que, se me permite, tenciono viajar consigo, e mostrar-lhe à minha maneira, através deste blogue, por que razão se sentiu tão feliz. Pois, todos temos um pouco do Alentejo dentro de nós.

Então vamos a isto. Deixe-se seduzir pela primeira receita, que penso poderá ser considerada como o “ex-libris” da cozinha alentejana. Venha saborear a cheirosa e saborosa açorda de coentros (ou poejos), um dos pratos mais fáceis de confeccionar e que sabe sempre bem. Venha cozinhar comigo.


AÇORDA

Ingredientes: (4 pessoas)

- 1 molho de coentros ou um pouco de poejos (também pode ser uma mistura das duas ervas. Cuidado com a quantidade de poejo pois tem um sabor muito acentuado)
- 2 a 4 dentes de alho,
- 1 colher de sopa cheia de sal grosso,
- 4 colheres de sopa de azeite,
- 1/5 litro de água a ferver,
- Pão duro caseiro (com um ou alguns dias)
- 4 ovos.


Ponha a água ao lume e quando estiver a ferver, deite os ovos inteiros.



Entretanto, pise os dentes de alho num almofariz com o sal e os coentros ou poejos, até que fiquem numa papa.



Coloque tudo numa terrina, e se quiser acrescente pimento verde. Regue com azeite. Deite por cima a água a ferver. A minha mãe punha-lhe um pouco de vinagre. Mexa bem e junte-lhe o pão cortado em finas fatias. Os ovos são colocados no prato ou sobre as sopas na terrina.




Açorda de bacalhau
Se quiser que fique mais saborosa e rica, pode pôr a cozer duas ou três postas de bacalhau. Um pouco antes do peixe estar cozido, deite os ovos inteiros na água e deixe escalfar.
Na terrina, escalde a papa com a água do peixe, acrescente o vinagre. Junte-lhe o pão. Coma o bacalhau com as sopas e o ovo.

Nota: O bacalhau põe-se a dessalgar de um dia para o outro, numa terrina com água. É necessário mudar a água de vez em quando.
Quando não tenho bacalhau, também cozinho com pescada fresca ou congelada e fica igualmente muito saborosa.  

Gostou? Então, agora que tal descansar um pouco com esta linda canção do António Zambujo: Trago Alentejo na Voz.

(vídeo de xicamanela89)

Sem comentários:

Publicar um comentário