sábado, 19 de novembro de 2011

Vencer a crise-Sopas de toucinho com poejo

Tinha prometido que neste blogue só abordaria temas que falassem do nosso Alentejo naquilo que ele tem de melhor. Mas quando todos os dias abrimos os jornais ou ligamos a televisão e que só ouvimos falar em crise, como fingir que nada se está a passar e assobiar para o lado? Estamos em crise. Pois estamos, mas em crise já estamos há muito tempo, principalmente no Alentejo que sempre foi uma região sacrificada. Mas agora, como antigamente, acredito, que uma vez mais os Alentejanos vão saber mostrar o seu carácter, determinação e força para enfrentar esta terrível situação. Vamos ter de voltar às nossas sopas? Não se apoquentem, pois adaptando a frase de Fernando Pessoa, atrevo-me a dizer: “Tudo é saboroso quando a arte não é pequena”.


Lembram-se quando nos campos não havia trabalho, e que tudo servia para sustentar uma família? As pessoas eram obrigadas a comer as ervas que encontravam nas margens das ribeiras ou das terras baixas. Um pouco de água, pão duro, uns coentros ou poejos, azeite e um alho e lá se fazia uma bela açorda.

E foi assim, que não havendo mais nada, os comeres pobres alimentavam famílias inteiras. Beldroegas, cardos, acelgas, poejo, coentro, óregãos, sarramago, espargos, alabaça, hortelã da ribeira eram ervas espontâneas e sazonais que cresciam cada uma em sua época do ano. Era só apanhá-las e saber cozinhá-las. Assim, nasceram as açordas, as migas, os calduchos, ou seja, a base da gastronomia alentejana que hoje é tão apreciada. Com pouco souberam criar verdadeiros pitéus, que hoje fazem parte do património gastronómico deste povo. Nas famílias mais abastadas, também rurais, estes manjares eram enriquecidos com peixe assado na brasa, carne frita ou linguiça e queijo.

Em todas as estações do ano encontram-se estas ervas aromáticas, assim e só para citar algumas, e sem ser demasiado rigoroso, pode-se dizer que crescem:
Entre Janeiro e Março: poejos, alabaças, arrabaças e espargos
De Abril a Junho: correóis, cardinho
Maio e Julho: beldroegas
Setembro até Outubro: silarcas,
Novembro e Dezembro: pampilhos, sarramagos
Em Agosto é mais difícil encontrar qualquer destas ervas pois o calor intenso não é propício ao seu crescimento. No entanto, algumas podem ser cultivadas. Eu por exemplo tenho coentros, poejos e também hortelã na minha hortinha caseira.

E porque com o frio que ai vem é tempo de se aquecer o corpo, assim, hoje proponho uma sopa de tomate com toucinho e poejo, erva que com sorte se pode encontrar ao longo do ano junto às ribeiras e barragens, e que é excelente para ajudar a curar as constipações e a tosse.


Sabia que os poejos pertencem à família das mentas (hortelã e hortelã da ribeira) são conhecidos há séculos em todo o Mediterrâneo e Ásia ocidental pelas suas propriedades relaxantes quando tomados em infusão. O poejo também é recomendado como expectorante, contra a gripe, tosse crónica, calmante para o sistema nervoso, constipações, insónias, dores reumáticas, acidez do estômago, fermentação, enjoo, bronquite e asma. Em Portugal é usada para culinária, infusões e também para o fabrico de licor, principalmente no sul do país. Por extracção de um óleo essencial, também pode ser usada em aromaterapia. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Poejo).

Ora vamos lá.

SOPAS DE TOUCINHO COM POEJOS E TOMATE

Ingredientes:
Pão duro
Água
2 ou 3 colheres de azeite
200 gr de tomates maduros sem pele (ou uma lata pequena de tomates)
1 cebola
3 dentes de alho
1 folha de louro
Poejo q.b
Pimento vermelho q.b
1 ovo por pessoa

Fritar o toucinho com um pouco de azeite (facultativo), uma folha de louro e um dente de alho. Quando frito reservar para um prato. Colocar a gordura do toucinho num tacho juntamente com o tomate, a cebola picada e o resto do alho picado. Deixar amolecer. Quando começar a levantar fervura, acrescentar um prato fundo de água por pessoa. Deixar ferver um pouco.

Escalfar os ovos e colocar o pimento e 2 pernadinhas de poejo +/- 1,5 minutos, para não ficar com muito sabor a poejo e o pimento não ficar muito cozido. Retirar o poejo, assim não fica muito amargo e o pimento digere-se melhor.







Deitar o caldo numa tigela sobre o pão cortado.







Acompanhar com o toucinho.




As sopas de toucinho podem ser feitas também sem tomate.

Que me dizem a isto? Fácil, barato e simplesmente delicioso. Bom proveito.



E para terminar em beleza, vamos ouvir "Açorda de Coentros e Alhos" do grupo de música popular Alencanto.


(vídeo saboresdoAlentejo)

Sem comentários:

Publicar um comentário