quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Chaminé alentejana - Filhoses de Natal




As casas típicas alentejanas caracterizam-se pelas suas chaminés. Supostamente de origem árabe, elas podem ser cilíndricas, quadradas ou rectangulares.
No alto das chaminés, costumam estar cata-ventos, representando figuras variadas em função das localidades como galos, peixes, cães ou D. Afonso Henriques montado no seu cavalo. Algumas estão datadas.  Todas são verdadeiras obras de arte.


As suas dimensões variam e podem chegar até aos três metros de altura, com um metro de diâmetro. Diz-se que o seu tamanho representava o estatuto social de quem as mandava construir, podendo até existir várias chaminés num mesmo telhado.


A chaminé era um local chave na casa, pois era por baixo da sua abóbada que a família se costumava reunir. Ali se cozinhava, se contavam histórias aos serões, se recebiam os convidados à volta da fogueira e até se penduravam os enchidos para secarem. Mas as chaminés e principalmente as de “escuta” tinham essa coisa maravilhosa que lhes permitia devido ao seu tamanho, ouvir tudo o que se passava na rua. O que se revestiu de grande importância, pois parece que durante a Inquisição, os cristãos novos dando-se conta do que se passava lá fora, tinham tempo de fugir ou de esconder qualquer objecto religioso capaz de os comprometer perante os inquisidores.
Hoje em dia e agora que o frio já se faz sentir, as chaminés voltam a acender-se, e no ar paira um leve e delicioso odor a lenha queimada. Respira-se um ambiente como não há outro igual.
 E agora, imagine-se depois de um longo dia de trabalho, sentado confortavelmente debaixo de uma destas grandes chaminés. Lá fora está frio e chove. A trovoada aproxima-se e a chuva cai cada vez com mais força. O seu olhar fixa-se no lume e ouve o som suave e langoroso de um cante alentejano misturado com o crepitar da lenha a arder e o barulho da chuva a bater nas janelas. As chamas dançam para si, e projectam a sua sombra nas paredes da chaminé. A temperatura está agradável, e sente-se invadido por uma doce e agradável sensação de paz e tranquilidade.



Aproveite este momento, pois nesta altura de grandes conflitos, só conseguiremos afastar-nos das nossas preocupações e vencer todos os obstáculos se nos mantivermos em harmonia e em equilibro connosco. Por isso, nada melhor do que dar mais importância a estes pequenos momentos de prazer. Estes ninguém nos tira.
Como vê para ser feliz, não é preciso grande coisa. Uma simples lareira e um bom lume. Claro se juntar a isto os seus amigos e familiares, um bom livro para ler, a sua malha ou croché, com um copinho de vinho, chá ou café e uns bolinhos, a felicidade estará mais completa. 
Assim, para que não lhe falte nada, e como estamos perto do Natal, chegou a hora de começarmos a pensar nos doces de Natal. Hoje, vamos às filhoses com aguardente. Fininhas e saborosas tal e qual a minha mãe fazia. 

FILHOSES DE NATAL
Ingredientes
1 kg farinha de trigo sem fermento
3 laranjas cortadas ao meio
3 ovos
1 copo de aguardente
100 g banha derretida
3 a 4 colheres de sopa de azeite previamente aquecido com uma côdea de pão (para lhe retirar a acidez)
Óleo para fritar q.b
sal q.b

Pôr a farinha num alguidar, fazer uma cova e espremer o sumo das laranjas dentro da cova. Deitar os ovos, o sal e a aguardente.
Entretanto aquecer o azeite. Quando estiver quente, fritar uma côdea de pão para lhe retirar a acidez.
Depois retirar a côdea e deitar o azeite na farinha juntamente com a banha derretida. Amassar muito bem.
Pôr um pouco de água a ferver com as cascas das laranjas, mas só durante 2 a 3 minutos para não amargar.
Regar pouco a pouco a massa com a água quente das cascas, à medida que vai secando. Continuar a amassar até que a massa não pegue nas mãos. A massa tem de ficar quente para se poder esticar bem. Pode cortar a massa em dois pedaços e amassar uma metade de cada vez.
Polvilhar a mesa com um pouco de azeite e experimentar esticar um pouco de massa. Se ela se partir ainda não está boa. Continuar a amassar até que fique mais elástica e se consiga esticar bem. Depois com o rolo (ou se não tiver uma garrafa de vidro) untado um pouco de azeite estender devagarinho a massa o mais finamente possível. Cortar a massa com uma recortilha em forma de rectângulos ou quadrados e fazer três riscos ao meio. Pegar delicadamente e colocar numa toalha para ir secando.
Depois de estendidas todas as filhoses, fritá-las em óleo quente, onde também previamente se fritou uma côdea de pão. Virar as filhoses no óleo e retirar logo a seguir para não ficarem queimadas.
Colocar numa travessa. Na altura de servir polvilhar com açúcar.


O meu pai costumava, e já era quase uma tradição para ele, na manhã do dia de Natal, ao pequeno-almoço, comer uma filhós com um copinho de aguardente. Uma delícia, dizia ele!

18 comentários:

  1. obriga vou fazer agora pelo natal

    ResponderEliminar
  2. De certeza que todos vão adorar. Feliz Natal para si e os seus.

    ResponderEliminar
  3. Nos chamamos isso de fritos na zona de odemira....mas e muito bom. Fazemos tambem pasteis de batata doce com a esma massa.

    ResponderEliminar
  4. tal e qual como as que a sra Maria da Graça (minha querida mãe) faz!!! Vila Nova de S. Bento!!!!

    ResponderEliminar
  5. Maria da Encarnação Rosa9 de dezembro de 2012 às 11:33

    Já fiz estas filhoses muitas vezes e vou continuar a fazer ou não fosse eu Alentejana são belissimas!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  6. Estas filhoses são realmente, para mim, as mais saborosas. E, quando elas são feitas pelas nossas mães, mais saborosas são. Está na altura de pensar em começar a fazê-las. Abraço e festas felizes para todos.

    ResponderEliminar
  7. As filhoses da minha infância que se preparavam em casa dos meus padrrinhos em moura,tinha uma diferença é que eram preparadas pelo carnaval e não no Natal eram maravilhosas.

    ResponderEliminar
  8. O Alentejo é tão rico que cada zona tem as suas tradições e costumes. Comidas no Carnaval ou no Natal, o importante é comer as filhoses que são um verdadeiro tesouro para o nosso paladar. Mas como estamos tão próximo do Natal, não espere pelo Carnaval, aproveite e delicie-se já como elas. Boas festas.

    ResponderEliminar
  9. A minha avo materna, fazia - as no lume do fogo ( como era chamado), debaixo de uma chamine enorme, e tendia - as sobre um paninho branco, sobre o joelho e fritava - as numa frigideira enorme posta sobre uma trempe de ferro.
    Isso, para quem sabe ,era o verdadeiro espirito de Natal.

    ResponderEliminar
  10. Saudades da minha infância. Faço estas filhoses, porque são uma delícia, para manter a tradição e em homenagem à minha querida mãe e avó paterna. Feliz Natal para todos

    ResponderEliminar
  11. Quando estiverem a comer as filhoses, fechem os olhos por uns instantes, e imaginem-se na casa das vossas avós debaixo de uma grande chaminé. Puro momento de magia.
    Feliz Natal para todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já fiz isso muitas vezes. Tenho pena que os meus netos (se os tiver) não possam experimentar essa magia. Que saudades desses tempos

      Eliminar
    2. como eu gosto da lareira alentejana quer faça chuva, frio ou fazendo os doces de natal!

      Eliminar
    3. Como tem razão! Os maiores prazeres e momentos de felicidade estão nas coisas mais singelas da vida. Aproveite bem esta época natalícia.Abraço e Feliz Natal.

      Eliminar
  12. obrigado pela receita, esta era a receita que a minha mãe fazia, alentejana de Serpa, obrigado por me fazer recordar da minha infancia e dos dias felizes de Natal a fazer filhozes com a minha mãe que já partiu, obrigado

    ResponderEliminar
  13. que saudades da minha infancia,da lareira da minha avó(em uma cazinha rustica no meio de uma serra alentejana), das pequeninas cadeiras de palha onde nos sentavamos (dentro da lareira) com o prato do jantar no colo, a ouvir historias de outros tempos....

    ResponderEliminar
  14. Muito bom. Obrigado pela partilha destes segredos de sabores ancestrais.

    ResponderEliminar
  15. Qual a medida do copo com aguardente em ml?

    ResponderEliminar